Madrinha Bondosa


Minha bondosa avó e madrinha é responsável pela alegria que tenho na atualidade pois intercede por mim lá do Céu.
Era santa em vida  pois o que temos que fazer de bem é aqui e agora e não na eternidade que é para saborear o bem aqui plantado tão somente.
Viveu para seus filhos e enteados no total de dezoito. Amou a todos sem exceção.
Uma super característica era que não gostava de falar de ninguém nem de ouvir o que não convinha dos seus semelhantes. Saía de escanteio elegante num afirmar com segurança: - Eu não quero saber!
Que bonito ter um coração tão sadio a ponto de só se interessar em fazer o bem e nada mais!
Um dia quero ser como ela; luto, luto mas não consigo ainda e vou seguir tentando pois aqui é o lugar da remissão das nossas sombras mais marcadas em nossa psiquê.
Seu carinho e ternura por mim foi indelével marca em mim como  um todo.
Defendia-me da filha severa e sempre chorava ao me ver em situações de injustiça. Uma piedosa senhora amada por filhos e enteados com igual carinho sem contar os genros e noras.
Erra mística de primeira grandeza, não se abalava com nada e a serenidade era sua marca primordial. Era pura doçura e uma doceira de mão cheia.
Sofreu, claro! É o troféu dos bons... é o pódio dos que promovem o bem e a paz. 
Um derrame a paralisou por dez anos e sofreu muito a separação do seu cônjuge. Derramava lágrimas ao vê-lo passar na rua e nem sequer entrar ou, quando muito, com um pequeno pacote de biscoito recheado de goiabada motivo pelo qual eu tenho verdadeiro apreço pelo paladar afetivo que ele causa em meu gosto.
Saudade imensa. deixou marca impressa em todo meu ser. Um poço de amor.
Um jorrar efetivo de carinho e gratidão a Deus por tudo que viveu e padeceu. Como se não bastassem tantos adjetivos e qualificações, ainda tive a bênção de vê-la atravessar o túnel da morte e estar ajoelhada rezando um terço pela sua passagem à Vida Eterna junto a outras beatas da nosso lugarejo.
Eu tinha só dezesseis anos mas nunca pude me esquecer como se vão os bons e puros de coração...
Sem palavras...







Minha avó também tinha a sua cristaleira com os potes de doces que eram uma tentação... numa sala enorme com tábuas corridas pelo chão...






Comentários

  1. Lindas recordações pra toda vida ela te deixou! Bela homenagem fizeste! beijos, chica

    ResponderExcluir
  2. Que alegría Rosalia tener personas tan santas cerca de nosotros. Es una gracia del
    Cielo. Demos gracias a Dios por ellas.

    Un fuerte abrazo. ¡Gracias!

    ResponderExcluir

Postar um comentário